Notícias

Postado em: 28/11/2017 - 11h03 | Redação

O Brasil vai parar em defesa da previdência

A CUT e demais centrais sindicais - Força Sindical, UGT, CTB, Nova Central, CSB, Intersindical, CGTB e CSP-Conlutas – decidiram realizar uma Greve Nacional em Defesa da Previdência e dos Direitos, em 5 de dezembro.

A nova proposta de desmonte da Previdência Social apresentada pelo governo golpista de Michel Temer (PMDB), prevista para ser votada no dia 6 de dezembro, é ainda mais perversa que a anterior.

Ao contrário da propaganda oficial do governo, a nova proposta não altera em nada as aposentadorias de militares,  políticos , juízes e magistrados. Ataca apenas os direitos da classe trabalhadora que terá de trabalhar mais e, se quiser receber o valor integral do benefício terá que contribuir durante 40 anos, sem nenhuma interrupção, o que é praticamente impossível.

De acordo com o coordenador geral do Sindicato, Osvaldo Bezerra, os ataques deste governo não têm fim. “Temer acabou com a CLT, reduziu inúmeros direitos e liberou a terceirização. Com isso, já dificultou muito a possibilidade do trabalhador contribuir o tempo necessário para se aposentar. Se a reforma da previdência passar, os trabalhadores vão morrer sem conseguir se aposentar”, alerta Bezerra.

O sindicalista lembra ainda que as aposentadorias da classe trabalhadora, em sua imensa maioria giram em torno de um salário mínimo, enquanto as aposentadorias de militares,  políticos,  juízes e magistrados são integrais, eles recebem o salário da ativa, que ultrapassa a cifra de R$ 20 mil reais.  “São esses salários que oneram a previdência, mas as regras continuam as mesmas para essa elite privilegiada”, desabafa. 

O próprio Temer é aposentado desde os 55 anos e recebe mais de R$ 30 mil por mês de aposentadoria do Ministério Público de São Paulo.

Ao contrário do que diz o governo, esses privilégios não vão acabar. A proposta do governo é tirar mais direitos da classe trabalhadora.  De acordo com a secretária de  Relações do Trabalho da CUT, Graça Costa,  Temer e seus aliados estão fazendo manobras para enganar o povo . “O governo tira alguns pontos agora para aprovar a PEC 287, mas a ideia é depois por  meio de MPs, PECs ou mesmo Projetos de Lei, recolocar esses pontos e aprovar tudo o que for interesse do governo, como o fim da aposentadoria rural, por exemplo. Enganação total”, denuncia Graça.

A perversidade deste governo não tem limites. Ele acaba com o mercado  de trabalho, liquida com direitos,  desmonta a previdência e com o congelamento dos gastos sociais por 20 anos, acaba com o sistema de saúde e educação do País, ou seja, joga o povo brasileiro na mais profunda miséria.