Notícias

Voltar
Postado em: 14/03/2018 - 11h27 | CUT

Marcha e debates marcam abertura do Fórum Mundial

Com mesas de debates e uma marcha de abertura pelas ruas de Salvador, Bahia, representantes do Movimento Negro da Bahia, de entidades religiosas de matriz africana, universitários, estudantes secundaristas, sindicalistas da CUT e da CTB, deram início nesta terça-feira (13), ao Fórum Social Mundial (FSM2018). 

O secretário de Relações Internacionais da CUT Nacional, Antônio Lisboa, disse que tamanha representatividade dos movimentos sociais e sindical é um sinal de que a resistência aos ataques dos golpistas que usurparam o poder se intensificará a cada dia. “ Estamos vivendo um estado de exceção. Por isso, o Fórum tem um significado de resistência para a luta que temos de desempenhar no País neste momento”, disse o dirigente.

Para a vice-presidenta da CUT Nacional, Carmen Foro, a presença da Central fará toda a diferença nos debates sobre trabalho e democracia.  “Esperamos sair daqui mais fortes e com maior resistência para debater, no Brasil e lá fora, a necessidade de ter um mundo mais justo e democrático”.

Já Julia Nogueira, secretária Nacional de Combate ao Racismo da CUT, diz que esta edição do Fórum “é fundamental para o Brasil, para dizermos aos golpistas que o povo brasileiro não se curva e não aceita o golpe. É necessário resistir para criar novas possibilidades de outra sociedade”.

Programação

A programação da Tenda da CUT, localizada no campus de Ondina da Universidade Federal da Bahia (UFBA), terá às 15h, o lançamento do livro “Enciclopédia do Golpe – o papel da Mídia” com a presença da ex-presidenta Dilma Rousseff e do jornalista Mino Carta.

O Fórum Social Mundial vai até o dia 17 de março, em Salvador, Bahia. São esperadas no evento 60 mil pessoas de 120 países.

Estão confirmadas as presenças do ex-presidente Lula e das ex-presidentas Dilma Rousseff (Brasil) e Cristina Kirchner (Argentina); e do ex-presidente uruguaio José Mujica, entre outras personalidades convidadas.

*Com informações da CUT. Leia a cobertura completa no site da CUT.